quinta-feira, 2 de maio de 2013

Aérea do Rio Mampituba

Fonte: Acervo do autor
Este registro fotográfico, que é da década de 1950, nos mostra o Rio Mampituba com sua orla praticamente intacta, sem impactos ambientais. Poucas são as intervenções humanas, entre elas as balsas que observamos nas duas margens. Percebemos a vegetação originária bem preservada, como este capão (porção de mato isolado) ao lado da casa isolada, onde seria hoje o limite do lado oeste do clube da SAPT. O então prefeito, Severino Rodrigues da Silva, foi o pioneiro que possibilitou a infraestrutura daquele local, como terraplenagem, aberturas de ruas e a plantação das mudas de casuarinas (semelhante a pinheiro), que são estes pontilhados retilíneos que ainda os vemos atualmente nas mediações da Praia Grande. Esta planta tinha como função evitar que as areias se acumulassem e também porque é uma árvore alta que nasce na areia branca.
No lado de Passo de Torres destaca-se as poucas casas dos habitantes que formavam uma comunidade voltada à pesca. A casa maior perto das balsas é a Casa da Rede de Baixo, uma sociedade de pescadores do rio. E ainda no lado catarinense, no local onde de se avista uma vegetação adentrando o rio, seria a partir de 1964 a primeira ponte pênsil, os moradores do lado de Passo de Torres tinham que atravessar de balsa ou em sua maioria, em canoas. Avista-se uma delas no meio do “rio de muitas curvas”, como podemos comprovar, com seu trajeto até a serra. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário